• Sexta-feira, 20 de Setembro de 2019

Avaliação – Novo Citroën C3 fica ainda mais premium, mas ainda peca no espaço

12/12/2012 - 11:36 - Texto e Fotos: Mário Salgado
Tamanho da fonte:   - +

O ano de 2012 ficou marcado pela chegada de grandes novidades em um segmento campeão de vendas, mas que não é muito bem tratado pelas montadoras: os compactos de entrada das marcas. Com a chegada de Hyundai HB20, Novo Gol, Chevrolet Ônix e Novo Fiat Palio, a Citroën também resolveu entrar na onda e trouxe, direto da Europa, o Novo C3. Com algumas adaptações para o nosso mercado, o carro agrada e muito por conter itens que o tornam premium e muito superior a alguns concorrentes. Mas ele cobra caro por isso e peca no espaço interno.

Ficha técnica Novo C3 Exclusive

Galeria de fotos exclusiva Novo C3

Durante 10 dias, a montadora francesa nos ofereceu um exemplar na versão Exclusive (topo de linha, mas que não continha 2 opcionais essências para um melhor teste completo: o câmbio automático de quarto marchas e o GPS). Como afirmou Fabiano Dassan, Gerente de Vendas da concessionária Citroën em Campo Grande, “quem compra a versão topo prefere que o carro venha com câmbio automático, que agora ainda vem com borboletas atrás do volante para trocas sequencias”.

Primeiro contato

Como o ShopcarNews ainda não é chamado para os eventos de lançamento da Citroën (o evento de lançamento do Novo C3 foi em agosto), somente durante o Salão do Automóvel de São Paulo foi possível ver o carro de perto. Mas ficou aquela vontade de andar no carro e poder conferir todos os seus detalhes.

Quando chegamos à concessionária para retirar o carro o que mais chamou a atenção realmente foi o para-brisa Zenith, que invade até quase a metade do teto. Mas o design externo é muito agradável e os LEDS diurnos na dianteira também não ficam atrás, já que são itens comuns a carros de luxo, que custam perto de R$ 100 mil. Já o C3 começa na casa do R$ 42 mil, em sua versão mais barata.

Por fora, o carro chama muita atenção ao primeiro olhar. Os enormes faróis que invadem o capô deixam bem claro a tentativa de deixar o carro mais expressivo e atraente ao público masculino. E esse objetivo foi atingido.

Na traseira é tudo novo também. Novas lanternas, novo desenho do para-brisas e para-choque bem desenhado mostram o capricho da marca para deixar o C3 bom ao olhar. Na versão Exclusive, uma barra cromada no pé da tampa do porta-malas dá um toque refinado e mostra que a marca quis muitos cromados pelo exterior do carro.

Por dentro

Ao entrar no carro, o excelente acabamento interno chama muita atenção, como sempre na Citroën. Com um Q de C3 Picasso, o interior do carro ganhou muito cromados e aço escovado. Na versão Exclusive, o ar digital também é destaque, além da tela do GPS, que no carro testado não foi disponibilizada.

O painel do Novo C3 foi recuado para dar mais espaço aos ocupantes dos bancos da frente. Mas, infelizmente, os seus 2,46 metros de entreeixos não ajudam muito quem vai no banco de trás. Mesmo motoristas e passageiros com pouco mais de 1,70m já espremem as pernas de quem vai na segunda fileira. Mas isso é normal em um carro com a medida do C3, de 3,94 metros.

Os bancos são muito bons. Com revestimento parcial em couro e bem ajustados às costas, não se desliza facilmente ao fazer curvas. Nos bancos dianteiros, a versão Exclusive vem com os aclamados descansos de braço, que ajudam muito a dar mais conforto, ainda mais em viagens.

O porta-malas é típico de compactos. Apenas 300 litros já lotam o compartimento. De acordo com a marca, com os bancos traseiros rebatidos a capacidade sobre para 1000 litros.

Rodando

O Novo C3 vem equipado com novos motores. As versões de entrada são equipadas com o 1.5 litro, 8 válvulas, flex e com 93 cavalos, quando abastecido com álcool. Já a versão testada, vem com o motor 1.6 litro, 16 válvulas com comando variável e que gera 122 cavalos de potência no álcool. Outro destaque do motor 1.6 é a dispensa do tanquinho de partida à frio. Com novo sistema, ao colocar a chave na ignição o carro já se prepara aquecendo os bicos injetores e dando a partida normalmente. E isso deve ser uma tendência em todas as marcas.

Em nosso teste, utilizamos, a todo momento, gasolina aditivada. Assim, o carro gera 115 cavalos de potência e torque de 15,5 kgfm. No entanto, mesmo perdendo força, o carro não deixou a desejar e rendeu arrancadas fortes e segurança nas ultrapassagens. O funcionamento do motor de 1.6 litro e 16 válvulas continua agradável, com vibrações bastante moderadas e baixo nível de ruído, exceto em altas rotações.

A direção elétrica garante um maior conforto nas manobras, que são auxiliadas pelos sensores de estacionamento na traseira. Sensores, inclusive, estão nos faróis e nos limpadores do para-brisa, que são acionados automaticamente.

Na hora de rodar com o carro ele se porta bem em retas e curvas lisas. Mas quando se pega as tradicionais buraqueiras de nossas ruas a conversa muda de figura. A traseira tende a pular muito e se mostra dura demais, ainda mais com as rodas de 16 polegadas e os pneus de perfil baixo.

As rodas grandes e largas, no entanto, ajudam muito na hora de frear o carro. Equipado com ABS e EBD, ele para facilmente, mesmo em pisos molhados ou com areia. Equipamento de segurança essencial, o Air Bag também está presente. Sendo os laterais opcionais.

Dirigindo por Campo Grande, conhecida pelo Sol escaldante, o para-brisa Zenith é item noturno. Mesmo com uma área escurecida, a intensidade de entrada de luz é muito grande e chega a causar desconforto. Até mesmo o ar-condicionado sofre para atingir a temperatura desejada quando o anteparo no teto é rebatido e se pode ter a ampla visão proporcionada pelo Zenith.

O consumo do carro variou um pouco de acordo com a utilização. Andamos somente em trecho urbano e com gasolina. Com o ar ligado direto e exigindo um pouco mais dos 115 cavalos de força, o computador de bordo marcou 8,5 km/l. Já tirando o pé e usando pouco o ar, o carro marcou excelente 9,6 km/l. Número que nos causou surpresa, já que o carro tem somente 5 mil quilômetros e ainda está amaciando. Sendo assim, o carro pode ter marcas melhores no consumo.

Topo
Publicidade
  • © 2002-2019 SHOPCAR - Sua Referência em Veículos - Classificados de Carros. Todos os direitos reservados