• Terça-feira, 11 de Maio de 2021
Não solicitamos nenhum código de verificação, por WhatsApp, SMS ou telefone.

BMW S 1000 XR reúne o melhor de dois mundos

14/12/2015 - 09:42 - Arthur Caldeira / Agência INFOMOTO - Fotos: Mario Villaescusa / Agência INFOMOTO
Tamanho da fonte:   - +

Imagine uma motocicleta que ofereça a emoção de um motor quatro cilindros com 160 cavalos de potência e o conforto de uma aventureira. Na visão dos engenheiros da BMW o resultado é a S 1000 XR, que chega agora em dezembro às concessionárias da marca alemã no Brasil. Montada em Manaus (AM), a aventureira esportiva da BMW será vendida nas cores branca e vermelha em um pacote completo (full), com todos os opcionais eletrônicos e diversos acessórios já instalados, por R$ 71.900. 

A ideia de uma aventureira esportiva ou vice-versa não é criação dos alemães. A S 1000 XR é a interpretação da BMW para o segmento, inaugurado pela Ducati com a Multistrada 1200 em 2010. As aventureiras esportivas são destinadas àqueles que buscam desempenho aliado ao conforto para longas viagens, mas preferencialmente pelo asfalto. 

Emoção e razão

A S 1000 XR reúne a emoção de seu motor de quatro cilindros em linha de 999 cm³ com uma ciclística mais versátil e uma posição de pilotagem confortável. O propulsor é o mesmo utilizado na versão naked, a S 1000R: oferece 160 cv de potência máxima a 11.000 rpm e torque de 11,4 kgf.m a 9.250 rpm. A eletrônica embarcada é a mais completa possível: quatro modos de pilotagem, o mais moderno controle de tração DTC, ABS Pro de última geração e suspensão eletronicamente ajustável Dynamic ESA. 

O câmbio de seis marchas ainda conta com a ajuda do sistema Shift Assistant Pro, que permite subir ou reduzir as marchas sem acionar a embreagem – o único detalhe é que para descer uma marcha é preciso fechar o acelerador.

A razão aparece no quadro. Em alumínio e do tipo diamond é semelhante ao da naked, porém tem nova geometria com ângulo de cáster mais aberto e distância entre-eixos mais longa, o que proporciona melhor estabilidade em altas velocidades – ajudada pelo amortecedor de direção de série. O conjunto de suspensões oferece curso de 150 mm no garfo telescópico invertido dianteiro e 140 mm, na balança traseira monoamortecida. 

Com essas mudanças, a posição de pilotagem também ficou mais racional. O guidão largo deixa o tronco ereto e as pedaleiras mais baixas não obrigam o piloto a flexionar muito os joelhos. O banco é amplo e confortável, mas a altura padrão de 840 mm deve dificultar a vida dos mais baixos – há outras duas opções: uma a 820 mm; e outra ainda mais alta a 855 mm. 

O tanque de 20 litros e o parabrisa alto, ajustável em duas posições, completam as características para fazer da S 1000 XR uma boa companheira para longas viagens. 

Primeiras impressões

Além do motor, a S 1000 XR herdou a identidade visual da linha “S”, como o conjunto óptico duplo e as carenagens laterais “recortadas”. Não se trata de uma vencedora de concursos de beleza e nem a mais estranha das motos. Mas o bico protuberante reforça a sensação de que a S 1000XR está calçada com as rodas erradas: por ser uma aventureira esportiva, a BMW adotou rodas de liga-leve de 17 polegadas, calçadas com pneus 120/70 na frente e 190/55, atrás – medidas de motos esportivas. 

O estranhamento acaba ao montar na moto: o banco passa uma enorme sensação de conforto, os comandos estão facilmente ao alcance das mãos e logo me senti em casa ao comando da S 1000 XR. Nem mesmo o alto banco me incomodou, já que o assento é mais estreito na parte da frente, o que facilita apoiar os pés no chão. 

Quem não estava em casa era a S 1000 XR, já que o primeiro contato com o novo modelo aconteceu na pista do Haras Tuiuti, um circuito travado. Afinal, a proposta do modelo é pegar a estrada. Entretanto, as muitas curvas e as subidas e descidas da pista fizeram aflorar o lado esportivo da S 1000 XR. 

As rodas menores e o bom conjunto de suspensões permitiam inclinar de uma curva para a outra com bastante facilidade e confiança. A segurança é reforçada pelo excelente pacote eletrônico: rodei todo o tempo no modo Dynamic, que permite a potência máxima, ABS em funcionamento normal, o controle de tração no limite para pneus de rua e as suspensões mais firmes. Ainda há outros três modos: Rain, que reduz a potência para 148 cv e aumenta a atuação dos controles de segurança para o uso em piso molhado; Road, para o dia-a-dia com mais intervenção dos sistemas; ou Dynamic Pro para ser utilizado com pneus slick.

Infelizmente, as condições de pilotagem esportiva na pista não permitiram avaliar o conforto e muito menos a autonomia da S 1000 XR – qualidades importantes em uma motocicleta voltada para viagens. Vocação evidenciada com os opcionais incluídos no “salgado” preço da versão brasileira: manoplas aquecidas, protetores de mão, suportes para malas laterais e top case, Cruise Control, e até preparação para GPS. 

Entretanto, foi possível perceber que o motor tem fôlego de sobra para viajar com esportividade e que todo o aparato eletrônico faz da S 1000 XR uma moto muito segura: os discos duplos com pinças de fixação radial na dianteira oferecem uma mordida instantânea e mal se nota o funcionamento do ABS; e o controle de tração dinâmico só atua em casos extremos.

Como a pista era um pouco irregular, deu para notar que as suspensões absorvem bem as imperfeições, mas são acertadas para o asfalto. E os pneus Bridgestone Battlax T30 voltados para o turismo não deixam dúvidas que a S 1000 XR passa longe da terra. “Não se trata de uma moto off-road”, fez questão de frisar o gerente de pós-vendas da BMW, Marco Truzzi.

Ao final do primeiro contato com a S 1000 XR ficou claro que a BMW fez um bom trabalho em reunir o melhor de dois mundos: a esportividade de seu motor quatro cilindros com muita tecnologia embarcada a uma ciclística e a uma posição de pilotagem que convida a viajar, de preferência, pelo asfalto.

FICHA TÉCNICA - BMW S 1000 XR

Motor    Quatro cilindros em linha, 4 válvulas por cilindro e refrigeração líquida
Capacidade cúbica    999 cm³
Diâmetro x curso    80,0 mm x 49,7 mm
Taxa de compressão    12,0: 1
Potência máxima    160 cv a 11.000 rpm
Torque máximo    11,4 kgf.m a 9.250 rpm
Câmbio    Seis marchas
Transmissão final    corrente
Alimentação    Injeção eletrônica
Partida    Elétrica
Quadro    Dupla trave superior em alumínio do tipo diamond
Suspensão dianteira    Garfo telescópico invertido (upside-down) com 150 mm de curso – ajustável eletronicamente 
Suspensão traseira    Balança traseira em alumínio monomortecida com 140 mm de curso – ajustável eletronicamente
Freio dianteiro    Disco duplo de 320 mm de diâmetro com pinça de fixação radial de quatro pistões com sistema ABS Pro
Freio traseiro    Disco simples de 265 mm de diâmetro com pinça de dois pistões e sistema ABS Pro
Pneus    120/70-ZR 17 (diant.)/ 190/55- ZR17 (tras.)
Comprimento    2.183 mm
Largura    940 mm
Distância entre-eixos    1.548 mm
Distância do solo    não disponível
Altura do assento    840 mm
Peso em ordem de marcha    228 kg 
Peso a seco    206 kg
Tanque de combustível    20 litros
Cores    Branca e vermelha
Preço sugerido    R$ 71.900

Mais Imagens
Clique na foto para ampliar
Topo
Publicidade
  • © 2002-2021 SHOPCAR - Sua Referência em Veículos - Classificados de Carros. Todos os direitos reservados